QUESTÕES TÉCNICAS SOBRE CAPTADORES

 

1 - O que são captadores eletromagnéticos e como funcionam?

Captadores eletromagnéticos são componentes fixados no topo dos corpos dos instrumentos musicais que captam a vibração das cordas e transformam essas vibrações em sinais elétricos.

O captador eletromagnético utilizado em guitarras e contrabaixos é composto por dois elementos: o imã e uma bobina enrolada com fio de cobre. O imã induz magnetismo às cordas, criando um fluxo de campo magnético ao redor delas. Quando as cordas vibram, o movimento desse campo magnético cria dentro da bobina, uma corrente alternada que vai do captador até o amplificador, através do cabo de ligação. Desta forma, o som que você ouve é o resultado da interação do captador, interpretando a vibração das cordas com o amplificador.

 

2 - Quais os tipos principais de captadores?

Os captadores eletromagnéticos são classificados pela quantidade de bobinas.

-Single-coils: captadores de bobina única.

-Humbuckers ou Humbucking: captador de duas bobinas ligadas fora de fase com as bobinas interagindo com as polaridades opostas.

-Mini humbuckers: são humbuckers autênticos com ambas bobinas passivas, porém com dimensões compactadas.

-Mini humbuckers no formato de singles: idem ao anterior, com dimensionamento para cavidades de pickups singles.

-Stacks: apresenta duas bobinas sobrepostas, porém uma das bobinas é ativa e a outra passiva. A bobina passiva produz o timbre e a bobina ativa (dummy coil) atua como canceladora de ruídos. Também conhecido como captador single com cancelamento de ruídos.

-Dual Coil: tecnologia que emprega duas bobinas e material magnético que garante a uniformidade do campo magnético por toda a extensão do pickup. Mesmo com pouco fluxo magnético, é possível obter tanto ganho moderado e ganho alto. E o sinal estará isento de ruídos.

Tri-bucker: associação de três bobinas, ou seja, um humbucker tradicional e um single-coil, acionáveis por chaveamento.

Sistema Quad-rail: associação de quatro bobinas, alinhadas em pares por bobina.

 

3 - Quais os componentes estruturais de um captador?

O captador consiste em carretéis ou base, fios de cobre, pólos, imãs ou magnetos, calços de fixação, fiação interna, fitas de proteção, capa, parafusos de fixação e condutores externos.

 

4 - Como são feitos os carretéis das bobinas?

Os carretéis são confeccionados de diversos tipos de materiais como fibra vulcanizada, baquelita, fibra fenólica e diversos tipos de plásticos: náilon, celulose, poliestireno, polibutileno e ABS. Os carretéis da marca Sound são feitos em ABS branco e preto. Os carretéis da cor creme são brancos e são pigmentados na cor em questão.  

A modelagem dos carretéis é feita sob pressão injetadas em moldes mecânicos ou hidráulicos. Já as bases de fibra vulcanizada utilizadas principalmente em captadores singles, são feitos de uma mistura de papel e resinas prensadas.

 

5 - Que tipos principais de magnetos são utilizados em captadores?

Os imãs mais usuais consistem:

-Alnico: são vários os tipos de ligas e dois tipos de categorias de orientação.

-Cerâmicos: são imãs sintetizados através de metais ferrosos. Os mais comuns são o bário e o ferrite de estrôncio.

Samário Cobalto (rare earth magnet): liga magnética que envolve os dois elementos. São imãs de alta performance (propriedades magnéticas) e resistentes a desmagnetização. Porém, as dimensões do magneto são limitadas.

-Neodímio: imã obtido pela mistura de neodímio, ferro e boro. São magnetos de alta performance em termos de propriedades magnéticas. Muito utilizado para captadores do tipo dual-coil.

-Cobalto: magneto formado por 36% de cobalto, utilizado pela Gibson nos primeiros modelos ES-150 (denominadas de Charlie Christian Guitar).

 

6 - O que é imã de Alnico?

O Alnico foi concebido em 1939, por G.B Thomas. É uma liga magnética composta por Alumínio, Níquel e Cobalto, acrescidos também de Cobre, Titânio e Ferro. O Alnico é um das ligas magnéticas mais utilizadas pelos fabricantes de captadores.

Os imãs de Alnico são fabricados por fundição (cast alnico) ou sintetizados (sintered alnico) através da metalurgia do pó. A diferença está na composição química de ambos. Os formatos mais comuns em captadores: cilindros (single-coils e alguns modelos de humbuckers), barras retangulares (humbuckers) e barras retangulares pequenas (captadores do tipo Alnico V da Gibson Les Paul Custom pré 1957).

 

7 - Como são feitos os imãs cerâmicos?

A obtenção de uma liga cerâmica depende de várias formulas. Inicialmente o material é concebido em uma substância pastosa que é prensada dentro de um molde e cauterizada num forno. Posteriormente, é seca em alta temperatura em exposição ao ar. Retirados das formas, os magnetos cerâmicos são cortados com ferramental específico – lâminas de diamante utilizando a água como agente para minimizar o atrito. Os imãs cerâmicos podem ser magnetizados, desmagnetizados, orientados ou desorientados.

 

8 - Quais as características sonoras dos captadores de Alnico e dos captadores dotados de imãs cerâmicos?

Os captadores dotados de imãs de alnico possuem sonoridades com brilho, clareza, harmônicos gritantes, graves macios, médio/agudos com bastante dinâmica e estrindência nas bobinas simples.

Os captadores cerâmicos possuem timbres encorpados em alto ganho. Os graves e médios soam densos. Os agudos têm ataque, porém soam mais comprimidos.

 

9 - Qual a procedência dos magnetos da Sound?

Os materiais magnéticos como o Alnico e as barras cerâmicas, são todas importadas de fornecedores de tradição no mercado musical.

 

10 - A Malagoli troca magnetos em captadores de outras marcas?

Sim, mas inicialmente verificaremos se o imã original poderá ser reutilizado. Para tal, pesquisaremos os parâmetros do material magnético original e sugerimos a re-magnetização do material. A Malagoli possui aparato técnico para magnetização graduada.

Caso a solução seja a reposição do imã, a Malagoli dispõe de material similar para singles e humbuckers tradicionais.

 

11 - Posso trocar uma barra de imã de alnico por outra barra cerâmica ou vice-versa?

A troca é possível, mas é necessário avaliar se o timbre será condizente com os requerimentos do músico. A barra de magneto substituta deverá ter dimensões similares ou próximas para facilitar a adaptação.

 

12 - O que implica na re-magnetização de um imã de captador?

Este processo pode alterar a potência e o timbre do captador. A pesquisa dos parâmetros originais do referido captador, é importante para a manutenção das características sonoras originais.

13-O que é domínio magnético?

São partes ou regiões do material que apresentam todos os átomos alinhados, denominadas de zona de magnetização espontânea. Quando aplicamos um campo magnético, essas zonas espontâneas também se alinham e criam propriedades magnéticas.

Nas extremidades temos as orientações (norte e sul) e nas zonas intermediárias, podemos eventualmente considerar como zonas de domínio magnético. Essas zonas espontâneas podem ser manipuladas com magnetizadores, de um lado ou para outro.

 

14 - O que implica a calibragem superior ou inferior em termos de magnetização de um material?

Quando magnetizamos um imã de captador com graduação magnética baixa, o som será magro, sem brilho e sem potência. É importante utilizar um carregador magnético que possa manipular as zonas de magnetização espontânea para a região mais adequada do material. No caso de magnetizadores de bobina de corrente contínua, basta esperar o tempo necessário para estabilização do processo.

Para carregar um imã com graduação magnética alta, alguns fatores devem ser observados: qualidade e percentagem dos elementos combinados no material e os parâmetros referentes às propriedades magnéticas em questão.

No caso de magnetização de alto teor, ocorre um alinhamento máximo de zonas de domínios magnéticos. Em termos de timbre, um captador com imã saturado produz mais ganho e mais brilho.

 

15 - Como os imãs de captadores podem perder magnetismo?

Quedas, batidas, calor, influência de corrente ou proximidade com transformadores de corrente alternada, proximidade com objetos de metal ou outro imã, pouca manutenção e uso prolongado pelo tempo.

 

16 - Como saberei se um imã poderá estar descarregado magneticamente?

O músico notará que houve perda acentuada de ganho e mudança no timbre. É uma das possibilidades. O dano poderá ter sido na(s) bobina(s) ou ser apenas um problema nos condutores. Procure ajuda especializada para constatar o problema.

 

17 - O que é captador com imã saturado?

O imã em questão é considerado saturado quando o aumento da força de magnetização não resulta no aumento da indução magnética. Ou seja, está magnetizado ao máximo.

18-Quais os tipos principais de magnetos de Alnico?

Os maiores fabricantes de captadores utilizam bastante o Alnico 2 e Alnico 5. Outros tipos como Alnico 3, 4, 6, 7 e 8 também são utilizados.

O Alnico 2 é o preferido para modelos de ganho vintage. Já o alnico 5 é muito popular para todos os tipos de modelos, destacando os captadores de ganho moderado e de alto ganho.

O alnico 5 possui diversas formulações, que os definem também com outras nomenclaturas: alnico 5 DG, por exemplo.

O alnico 8 também é ótima opção para modelos de ganho moderado.

 

19 - O que é campo magnético anisotrópico e isotrópico?

Anisotrópico refere-se ao magneto que possui uma orientação preferencial. Ou seja, as propriedades magnéticas são mais eficazes numa única direção.

Isotrópico é quando o magneto não apresenta orientação preferencial – as propriedades são similares para ambas às direções.

 

20 - O que é calibração magnética?

A calibração de um imã é a magnetização do material em graduação no nível magnético desejado. Outra forma de calibração é em relação ao campo magnético dos pólos em direção ao encordoamento.

 

21 - O que é sincronização magnética?

É associação de dois ou mais captadores combinados por uma chave de seleção num circuito de parte elétrica. Se esses dois captadores estiverem ambos bobinados na mesma direção e mesma polaridade magnética, estão eletricamente e magneticamente em fase.

Caso estejam enrolados na mesma direção, e as polaridades serem diferentes, os pickups estarão fora de fase.

 

22 - Onde está o campo magnético em captadores de guitarra ou contrabaixo?

Geralmente perto dos pinos ou pólos do pickup conduzidos para o encordoamento do instrumento. O campo magnético poderá ser estendido para parafusos de fixação na parte inferior do captador, valendo para baixo dos carretéis e por baixo da base ou berço da peça.

 

23 - É possível medir a força do imã?

Sim, é a medição da força trativa através de um aparelho denominado de gaussmeter, ou gassímetro. A Malagoli monitora todos os imãs através de um medidor de Gauss.

24-O que é indução magnética?

É o número de linhas magnéticas por unidade de área que atravessam o campo magnético.

 

25 - O que é permeabilidade magnética?

É a intensidade da magnetização. A intensidade magnética varia de acordo com a intensidade do campo magnético. Propriedade de indução para atravessar o material.

 

26 - O que é força coercitiva?

É a intensidade de campo magnética necessária para reduzir a indução magnética a zero – o mesmo que desmagnetizar.

 

27 - O que indica uma curva de histerese?

Representação gráfica da relação entre força e a indução magnética resultante de um material ferromagnético.

 

28 - O que é fluxo magnético?

Manifestação estrutural de um material quando submetido em magnetização. É o campo magnético que passa pelo ar que quando interage com uma bobina gera uma corrente alternada. O campo transita de uma orientação a outra, através de um circuito magnético.

Os captadores da Sound são checados e monitorados por um fluxômetro, que mede a quantidade de fluxo magnético nos captadores.

 

29 - O que são os pólos dos captadores?

São estruturas posicionadas no topo dos captadores que direciona a força magnética dos imãs em direção ao encordoamento, criando um campo magnético ao redor das cordas. O pino age como um pólo de um ímã, como uma região provida de fluxo magnético.

Essas estruturas podem ser de: pinos de ferro, barras de ferrite, parafusos de fenda, parafusos allen e parafusos diversos. Os pólos podem ser ajustáveis e fixos. Existem captadores com pólos ocultos por uma capa lisa superior.

Os pólos podem ser os próprios imãs (pólos cilíndricos de alnico ou pólos pequenos retangulares de alnico). Nos modelos da Sound: Custom Alnico 50 e

Custom Alnico Blues, HB ED e Prog Bucker, os pólos são os próprios imãs.

 

30 - Porque os captadores possuem pólos diferentes, de modelo a modelo?

Isso depende do projeto de cada produto. O tipo de pólo interfere na construção, nos timbres, ganho e no visual.

31-Os pólos podem ser magnetizados?

Sim, de certa forma por estarem próximos ou em contato direto com o imã na parte inferior (caso dos humbuckers e singles cerâmicos), os pólos acabam “imantados”. Mas alguns fabricantes costumam carregar magneticamente os pólos.

 

32 - Porque os pólos e ímãs enferrujam?

Os ímãs de alnico são constituídos de diversos materiais, entre os quais o ferro. O metal enferruja sob ação da alta umidade do ar e suor proveniente das mãos do músico. Algumas empresas como a Fender e Gibson utilizam camadas de silicone ou blindam os imãs de alnico com níquel, cromo ou ouro. Mas essa blindagem é superficial e sofre desgaste pelo tempo de uso.

Para minimizar, a manutenção deve ser preventiva. Consulte nossa seção de dúvidas mais freqüentes sobre captadores.

 

33 - A oxidação pode penetrar na bobina e romper os fios da mesma?

Sim, a exposição da bobina ao ar (dióxido de carbono) é prejudicial. Assim como o contato do suor das mãos (ácido) em bobinas expostas.

O primeiro sintoma são as formações de camadas de carbonato verde que surgem em pontos distintos do enrolamento, que provocam o rompimento dos fios.

Manipule cuidadosamente a bobina e processos de parafinamento a vácuo são recomendados.

 

34 - Qual tipo de fio utilizado nas bobinas?

Em geral, utilizamos fios de cobre com padrão de medida AWG (American Wire Gauge), que é unidade de medida específica para condutores. Os diâmetros mais comuns são as medidas de 42, 43 e 44. Os fornecedores oferecem opções de fio 36 até 54.

No que diz respeito às medidas de diâmetro, alguns normas são adotados por fabricantes: medida mínima, medida nominal e medida máxima – valendo para uma única numeração. Ou seja, é possível encontrar fornecimento de fio 42 em pelo menos três padrões.

Eventualmente a medida máxima de uma numeração se refere ao valor nominal de outra numeração. Isso depende de fornecedor para fornecedor.

As guitarras Fender antigas utilizavam fio 43 e posteriormente mudaram para 42. Mas atualmente, a variedade de medidas é muito extensa.

O Sound Custom Alnico Blues é enrolado com fio 43 e o Sound Custom 50 é enrolado com fio 42.

 

35 - Quais os tipos de revestimento ou isolamento dos fios da bobina?

São vários os tipos de resinas e vernizes utilizados nos fios da bobina.

A Fender utilizou fios de cobre com composto de formvar (a base de polivinil) nas antigas guitarras stratocasters. Já nos anos 60, utilizou o Plain Enamel (a base de resinas de óleo) – esmalte de cor marrom avermelhada, muito utilizada hoje em dia nos modelos de captadores de reedição.

Atualmente, a Fender utiliza o Polysol (vinílico) e o poliuretano. A maioria dos fabricantes utiliza o isolamento de poliuretano, fornecido em várias cores.

Outros: poliéster, náilon poliéster, poliéster de alta fusão, poli-nailon de alta fusão, junção epóxi-poliéster de alta fusão e compostos híbridos de formvar.

 

36 - O diâmetro influi na timbragem do captador?

O diâmetro é importante porque confere determinadas características de construção e timbres. O fio mais fino possibilita mais voltas e ocupa menos espaço dentro da bobina.

A resistência do fio (vide questão 38) influi no timbre, assim como o método de enrolamento das bobinas.

 

37 - A tensão do fio de cobre produz diferenças de timbre?

Sim, vários captadores enrolados com mesmo número de voltas pode produzir diferentes parâmetros de valores de D.C.R. (valores próximos) devido a tensão aplicada ao fio no momento do bobinamento.

No que diz respeito a tensão, é a força que resiste ao impulso do fio de cobre no momento do enrolamento.

O excesso de tensão pode esticar o fio e causar um aumento da resistência (D.C.R.) e a falta de tensão deixa a bobina frouxa e “esponjosa”, suscetível a microfonias.

 

38 - O que é resistência?

Resistências são restrições para a circulação da corrente. Desde partes não planas do fio até o comprimento total do enrolamento, implicam no valor resistivo. É o D.C. R.:  resistência da corrente contínua.

No captador, muitos associam o valor do D.C. R. aos números de voltas da bobina ou a medida fornecida pelo multímetro analisando o captador.

E relacionam o valor D.C. R. ao ganho do pickup, expressa em Kohms.

Em termos de timbre, não apenas o valor da resistência implica na tonalidade, mas de forma genérica: D.C.R. baixo produz agudos mais claros e D.C.R. alto produz graves e perda de brilho.

 

39 - O que é impedância?

Impedância é a resistência para corrente alternada. A impedância faz variar os valores de freqüências nos captadores passivos, denominados também de captadores de alta impedância.

 

40 - O que é pico de ressonância?

Todos os dispositivos eletrônicos apresentam uma freqüência natural que provoca uma oscilação. É a denominada freqüência natural de vibração ou pico de ressonância, expressa em hertz. Nos captadores é um indicativo do ponto máximo nas faixas de freqüências altas. O pico de ressonância sugere os caracteres do som. O pico de ressonância é também denominado de “top frequency”. Mas para analisar o pico de ressonância de um captador, devemos levar em conta os parâmetros de D.C.R e impedância.

 

41 - O que é indutância magnética?

A indutância magnética mede a resistência da corrente alternada em relação ao campo magnético. É expressa em Henries. Quanto maior a indutância o timbre é mais grave com perda de brilho e maior a potência do captador.

 

42 - A maneira que a bobina foi enrolada influi no resultado final do captador?

Sim, vamos primeiro analisar o tipo de mecanismo utilizado para enrolar bobinas.

- Método manual: A máquina de enrolamento gira o carretel, mas o fio de cobre é guiado pela mão do operador que distribui o fio ao longo do carretel. Método dos primórdios, utilizado até hoje para obtenção de sons mais quentes porém com baixa tensão de enrolamento e instabilidade de parâmetros.

- Método de enrolamento mecânico: A máquina gira o carretel e um dispositivo a faz movimentar-se de um lado para outro em uma posição regular, distribuindo exatamente os fio de cobre no carretel.

Neste método a tensão do enrolamento é maior, sendo possível conseguir estabilizar os parâmetros. A máquina possui uma quantidade de ajustes que possibilitam diversos tipos de enrolamento.

- Método de enrolamento distribuído: É um método a qual, a máquina gira o carretel e o fio de cobre é distribuído pela mão do operador. Mas o operador faz uma distribuição intencional ao longo do carretel ou ao acaso.

Na verdade, a finalidade deste tipo de enrolamento é a criação de mais espaço aéreo na bobina. Isso diminui a capacitância distribuída e ressalta ou amplia o pico de ressonância de um captador.

Este tipo de enrolamento, as possibilidades de manipulação da bobina são maiores.

- Método de enrolamento com comando numérico computadorizado (CNC): Este método implica na utilização do computador e de um software. A máquina obedece aos comandos do software instalado num computador e executa o processo de enrolamento. A máquina de enrolar na maioria das vezes, é de alta performance. Porém a capacidade de manipulação é baixa devido ao uso otimizado do sistema para produções em massa.

Existem sistemas CNC para manufatura de pickups mais compactos que possibilitam a manipulação. Mas os fabricantes e o consumidor ainda nutrem preferência por métodos considerados como ortodoxos.

O espaço entre o enrolamento dos fios de cobre e os pólos também influi no timbre. Quanto mais próximo estiver o enrolamento dos pólos, na parte interna da bobina, os timbres serão mais quentes.

 

43 - Os captadores Sound são parafinados?

Sim, os captadores são checados e antes da etapa de finalização são encaminhados para o “banho de parafina e cera”. O processo conhecido  como “vacuum wax potting” é fundamental para eliminar  os “espaços de ar” dentro da bobina e ao redor da(s) bobina(s). Isso evita a realimentação do sinal que gera a microfonia ou feedback (wolftones). O banho de parafina e cera também mantém a uniformidade da bobina, evitando que os fios do enrolamento se movimentem para baixo ou para os lados.

 

44 - A Malagoli executa banho de parafina e cera para outras marcas de captadores?

O usuário poderá recorrer nosso serviço de parafinamento. Mas será feita uma análise prévia do captador em termos de parâmetros técnicos.

 

45 - A Malagoli fabrica captadores sem parafinamento, nos mesmos padrões dos captadores antigos e vintages?

Sim, nosso setor de customização poderá atendê-lo prontamente com orientação técnica para a escolha do modelo e método adequado.

 

46 - Onde encontro esquemas elétricos dos captadores?

Procure na nossa seção de esquemas elétricos ou entre em contato com nossos representantes da assistência técnica.

 

 

47 - Meu captador Sound apresenta ruído fora do normal, o que posso fazer?

Inicialmente verifique a parte elétrica de sua guitarra. Cheque as conexões do jack e os demais componentes, inclusive a fiação e condutores.

O problema poderá estar localizado na cadeia de sinal, dos pedais de efeito, cabos, o amplificador e a rede elétrica. Mude de equipamento para experimentar. Caso o problema persista, entre em contato com a assistência técnica.

 

48 - A Malagoli produz captadores com imãs do tipo “Dun-Aged”?

O processo de estabilização de um ímã em determinados parâmetros para utilização em modelos de pickups vintage ou de ganho moderado, faz parte do dia-a-dia da empresa. Estudaremos caso a caso.

 

49 - Do que se trata a medida mili volts?

É uma medida que se refere a um milésimo de volt. Os fabricantes de captadores utilizam esse parâmetro para expressar a quantidade de saída ou potência do pickup.

 

50 - A fábrica da Malagoli está aberta a visitações , sendo possível visualizar o processo de fabricação dos captadores?

POR ENQUANTO NAO! Pretendemos fazer com que isso se realize, mas é um projeto ainda. As visitações seriam previamente agendadas e monitoradas. O roteiro da visita incluiria também um “test drive” no nosso show room de produtos. Eventuais palestras e mini workshops com músicos e consultores da marca estariam incluídos no roteiro da visitação, mas por enquanto é só um projeto mesmo.